Novo Corretor Aurélio

Em 1999, depois do sucesso alcançado com as suas ferramentas de revisão para o português europeu, e como forma de abordar um novo e interessante mercado, a Priberam começou a licenciar e a desenvolver recursos para o português do Brasil.

O reconhecimento do trabalho desenvolvido para aquela variante do português veio, em 2001, com o licenciamento, para toda a redacção do jornal O Estado de S. Paulo, do corrector ortográfico para o português do Brasil da Priberam. Em 2003, aproveitando o facto de a Microsoft ter deixado de incluir ferramentas de revisão para o português no Office para Macintosh, a Priberam lançou o FLiP:mac Brasil. Seguiu-se, em 2004, o FLiP Brasil, para o Microsoft Windows.

Por forma a reforçar a presença local no mercado brasileiro (o FLiP:mac Brasil e o FLiP Brasil eram apenas vendidos por download), o FLiP Brasil seria substituído em 2007 pelo Novo Corretor Aurélio, uma versão actualizada do FLiP Brasil, agora comercializado sob a mais prestigiada marca de dicionários de língua portuguesa. O Novo Corretor Aurélio é editado pela Positivo Informática, empresa que desenvolve o Dicionário Aurélio.

A versão 2.0 do Novo Corretor Aurélio, para Microsoft Office, lançada em 2009, é o primeiro pacote de ferramentas de revisão para o português do Brasil a incluir suporte para o Acordo Ortográfico de 1990, já em vigor naquele país.